Siga-nos:

Andar nas nuvens: como escolher sapatos

 
Moda

Andar nas nuvens: como escolher sapatos

Sapatos de salto alto

Objecto de desejo para umas, missão impossível para outras, escolher sapatos perfeitos é uma odisseia que todas já vivemos. Saiba a que detalhes – para além dos óbvios – deve prestar particular atenção para andar nas nuvens, em qualquer ocasião.

  • Não há nada como chegar ao fim do dia, descalçar-nos e não ter de ir a rastejar pôr de molho os nossos pobres pézinhos! Quando isso acontece (e só nos apetece andar de havainas o resto da vida!), a culpa pode ser mesmo dos sapatos. Muitas vezes o barato sai caro e, no caso do calçado, o caro são as bolhas nos pés e muitas dores! Quando o calçado não apoia confortável e adequadamente os nossos pés, o corpo é que paga, neste caso as pernas, ancas, costas, ombros e pescoço, num esforço conjunto para equilibrar o corpo que está a ter um “dia não” nas “fundações”. Um sapato bom e de elevada qualidade não nos vai empurrar para uma vida de chinelo no dedo, é antes um mimo para os nossos pés, um mimo (se não um milagre!) para cada centímetro do nosso corpo!
  • Viver em harmonia com a nossa sapateira começa numa escolha acertada. Claro que o estilo e a cor são o que nos seduzem primeiro, mas há que olhar para além do tacão perfeito. Sempre que possível, escolha calçado em pele – a melhor matéria-prima a ser aplicada aos sapatos, a pele permite uma excelente circulação do ar, o que vai beneficiar os pés de várias maneiras: vão respirar melhor, o que significa menos probabilidades de suor, infecção e maus odores.
  • Inspeccione os sapatos… literalmente! Se conseguir dobrar o sapato por completo, não é bom sinal – ele deve “dar-se” um pouco, mas não virar o sapato “contorcionista”! A estrutra do próprio sapato não deve permitir que este se dobre para além da zona da bola do pé. Pressione a zona dos dedos do pé debaixo para cima – esta zona frontal deve ser bastante flexível para permitir um bom movimento dos dedos e bola do pé.
  • Investigue com igual minúcia o interior dos sapatos (isto quer dizer com as mãos!) para assegurar que a sola interior é macia e forrada, ou seja, sem costuras fora do sítio ou recantos ásperos. Se for um sapato de cordão, este deve ter uma “língua” bem almofadada para quando apertar os cordões, não sentir os apertos no pé!
  • Veja à lupa todas as costuras – estão alinhadas e cosidas uniformemente? A pele é macia? Agora vire o sapato ao contrário e esteja atenta à sua etiqueta (aquele autocolante transparente colado à sola) para ficar a saber se possui uma estrutura em aço e uma sola em pele, porque estas são as melhores apostas para pegadas firmes. O sapato está realmente bem acabado ou parece que vai começar a descolar no primeiro passeio?
  • Se ainda não experimentou, então experimente e de preferência os dois! Sabia que a melhor altura do dia para adquirir calçado é no final da tarde quando os pés já incharam tudo o que tinha para inchar? A vantagem? Um melhor ajustamento entre pé e sapato.
  • Quando experimentar calçado, vá sempre preparada com as meias adequadas, ou seja, não vai experimentar umas sandálias à gladiador com collants ou uma bota de camurça sem meias, pois não?
  • O conforto sente-se logo à primeira, o que quer dizer que se sentir algum aperto ou discomforto (por mais pequeno que seja!) não compre pensando que vão alargar! Um sapato de qualidade não alarga e para aquelas aí em casa com toneladas de sapatos arrumados nas suas caixinhas porque apertam, procure a salvação junto do seu fiel sapateiro que tem uma máquina de alargar sapatos!
  • A parte da frente do sapato deve ser suficientemente espaçoso para poder mexer comodamente os dedos dos pés – não quer estrangulá-los, nem estalar o verniz, pois não?
  • O seu calcanhar deve encaixar confortavelmente no sapato e não sair do sítio com cada passo que dá – não são chinelos, são sapatos!
  • O chamado “peito” do pé não deve ser, em nenhuma circunstância, maior do que o próprio sapato – o objectivo do calçado é acolher os pés e não vê-los a tentar fugir!
  • Porque os nossos pés também alargam com a idade (é verdade, até os pés!), quando em dúvida, peça para ver o tamanho acima ou abaixo e compare. Por vezes, por ser um modelo diferente ou por ser sapatilhas em vez de sandálias, vamos automaticamente passar para outro número. Vai haver um par com o qual se sente muito melhor e assim está feita a escolha!
  • Faça da sapataria uma verdadeira passerrelle e leve os seus futuros sapatos (ou não) para um test drive completo, avaliando o grau de conforto, apoio e estilo. Com todas estas preocupações na cabeça, não se esqueça de os admirar ao espelho para ter a certeza que são a sua cara!
  • Se estiver à procura de uns saltos altos ou stilettos (com tacão de 5 cm ou mais) para saídas ocasionais, vai ser um prazer. Não há sapato mais feminino, mais poderoso! Depois de encontrado o par perfeito vai querer andar com eles todos os dias – esqueça – ou então prepare-se para dores de pés e coluna diárias, para não falar em possíveis entorses e uma postura cada vez pior. São especiais, por isso, guarde-os para ocasiões especiais… não vão faltar com certeza!
  • Para o dia-a-dia no escritório, opte por uns saltos médios, ou seja, até aos 2 cm, para uma elegância e conforto irreprensíveis. Em alternativa aos saltos, temos ainda os sapatos com cunha (que voltaram ao top das tendências) e que, apesar de emprestarem uma maior estabilidade ao tornozelo, mantêm o pé numa posição de esforço. Não são aconselhados para quem passa grande parte do dia de pé ou a andar de um lado para o outro!
  • Cada vez mais aplaudidos, os saltos rasos (que ganharam ainda mais popularidade com a multiplicação das fabulosas sabrinas!) são os melhores amigos dos nossos pés em termos de estabilidade e aconchego. No entanto, e para não sacrificar a planta do seu pé, um salto de pelo menos um centímetro é o ideal! Divirta-se a conjugar este género de sapato com roupa formal e casual – combina com quase tudo!
  • Se a aventura for a busca de uma sapatilha – seja para exercício físico ou para completar a sua roupa desportiva de fim-de-semana – escolha sempre sapatilhas com sola de borracha.
  • Curiosamente, os sapatos também influenciam as nossas silhuetas. Não sabia? Então tome nota: se tem pés e pernas largas, tornozelos grossos ou pouco definidos, escolha calçado com uma biqueira bicuda para alongar a silhueta; se tem tornozelos finos, pés e pernas estreitas, escolha calçado com uma biqueira redonda ou normal para encurtar a silhueta.
  • Não se esqueça que há sempre um período de adaptação a um recém-adquirido par de sapatos. Se comprou umas botas de pele que lhe parecem muito rígidas, experimente amaciá-las com um bocadinho de creme hidratante espalhado no seu interior. Se forem saltos altos ou sandálias para uma festa ou cerimónia especial, treine em casa alguns minutos, todos os dias, antes do evento.
  • A qualidade paga-se e, no caso dos sapatos, a qualidade compensa! Um bom par de botas ou de saltos altos pode durar uma década… se forem bem tratados e enviados periodicamente para um sapateiro de confiança.
  • Já sabe, da próxima vez que for comprar sapatos: design e conforto de mãos dadas, se possível. Se não, conforto primeiro, estilo depois. Os seus pés agradecem!
Comentários (0)