Siga-nos:

Como fazer e manter as resoluções de ano novo

 
Saúde & Bem-estar

Como fazer e manter as resoluções de ano novo

Mulher a sorrir

Pelo menos metade da população mundial faz resoluções de ano novo, recheadas de boa vontade e motivadas por sentimentos de “este ano é que vai ser”… para no final de Janeiro já ter desistido ou esquecido grande parte das mudanças que pretendia para si mesmo. Para manter as resoluções de ano novo, é preciso saber fazê-las.

O que realmente quero? Fazer resoluções de ano novo só por fazer pode não significar a concretização de objetivos que realmente lhe dizem alguma coisa, que vão fazer uma diferença na sua vida, que lhe vão fazer mais feliz. Em vez de decidir que as suas resoluções para o ano novo são as mesmas do ano passado (sim, porque essas ficaram por concretizar!), as primeiras que vierem à cabeça ou “copiadas” da sua melhor amiga, reserve algum tempo para pensar tranquilamente sobre tudo aquilo que gostava de alcançar no novo ano, porquê e como vai fazê-lo. Anote tudo para não esquecer e para poder ir riscando um por um depois de realizados.

Seja mais específica. Concretizar uma resolução de ano novo passa por ter algo que possa ser concretizado, ou seja, mais do que decidir que vai “comer mais saudavelmente este ano”, defina que vai “comer, pelo menos, três peças de fruta por dia”; ou se quer “ter mais tempo para si”, utilize em vez dessa resolução mais genérica, outra mais específica como “ler um livro por mês” ou “fazer uma massagem de dois em dois meses”. Ano novo, vida nova, resoluções específicas… assim não há como enganar!

Não ou sim? Há quem responda melhor à palavra “não”, mas há também quem prefira a palavra “sim”, para não se sentir privada de alguma coisa ou sentir que está a fazer algo errado. Se a sua resolução para o ano novo passa por “não comer mais chocolates” – o que pode ser difícil de conseguir! – porque não dar a volta à questão e ao próprio português, estipulando antes “posso comer um chocolate por semana”. Veja o que funciona melhor para si – a autoridade do “não” ou a permissão reservada do “sim”.

Passo a passo. Já diz o velho ditado que não se deve “dar um passo maior do que a perna” e esta máxima aplica-se na perfeição às resoluções de ano novo, ou seja, há que começar pequeno para poder alcançar grandes coisas. Grande parte das vezes, é a nossa própria ambição que deita por terra as resoluções do réveillon – queremos fazer tudo em simultâneo e em tempo recorde, o que acaba por ser demais. O que acontece? Tão depressa como começamos, desistimos de tudo. Como dar a volta a este obstáculo? Começar por dar passos pequenos é a melhor forma de concretizar um objetivo como “ir para o ginásio três vezes por semana”, ou seja, não deve começar por ir todos os dias, nem as três vezes, deve começar por ir uma vez durante algumas semanas, depois duas, até conseguir atingir a sua meta. Nunca subestime o poder do pouco – por algum motivo se diz que “devagar se vai longe”.

Mantenha-se concentrada. Um estudo revelou que 80% das pessoas que fazem resoluções para o ano novo desistem das mesmas em meados de Fevereiro! Não seja uma delas e inspire-se nestas dicas para não esquecer as suas resoluções:

  • escreva tudo num local de fácil acesso no dia-a-dia (agenda, diário, PDA, telemóvel, computador);
  • reveja as suas resoluções diariamente para não caírem no esquecimento e para registar o progresso;
  • crie um sistema de prazos e de pontos com prémios adicionais (sim porque cumprir as resoluções de ano novo já são um grande prémio!) para motivar a realização dos seus objetivos e conseguir monitorizá-los – transformar as resoluções num jogo pode ser um excelente desafio;
  • peça ajuda ao namorado, amigas, familiares ou colegas de trabalho;
  • inscreva-se num grupo de apoio virtual ou real vocacionado para a concretização de uma ou mais resoluções;
  • trabalhe nas suas resoluções todos os dias – ao tornarem-se um hábito serão mais fáceis de cumprir;
  • se não conseguir cumprir o prazo por si estabelecido, não desista – é por isso que existem as extensões de prazos;
  • se está a ser muito difícil cumprir as resoluções mais rígidas e que requerem grande disciplina, concentre-se durante uns tempos exclusivamente nas resoluções que lhe dão maior prazer – pode ser o impulso que precisa para conquistar as restantes;
  • se mesmo assim não conseguir dar conta de certas resoluções, porque não eliminá-las e tentar outra vez para o ano? Mais vale pôr de lado algo que não está a conseguir concretizar e que a está a deixar ansiosa e desmotivada, do que arriscar o não cumprimento de todas as outras resoluções que constam da sua lista. Boa sorte!
Comentários (1)
Vicente
Quinta, 31/10/2013 - 15:16
Dicas fortificante