Siga-nos:

Verdades e mitos sobre o preservativo masculino e feminino – Parte 1

Verdades e mitos sobre o preservativo masculino e feminino – Parte 1

Para que o ser humano tenha a possibilidade de ser um membro ativo numa relação madura, necessita de ter a capacidade de cuidar de si e do outro e de promover a vivência de uma sexualidade salutar. Apesar da existência de uma panóplia de métodos contracetivos, o preservativo é o método mais recomendado pela maioria dos profissionais de saúde e pela Organização Mundial de Saúde, porque previne de uma gravidez indesejada mas, igualmente, de infeções sexualmente transmissíveis (IST).

O uso correto e consistente do preservativo é uma opção válida para a abstinência sexual. Contudo, diferentes mitos existentes sobre o preservativo poderão promover a não utilização do mesmo e ser responsáveis pela existência de dificuldades na negociação do seu uso e, por conseguinte, poderão ser responsáveis pela vivência de uma sexualidade menos satisfatória e menos saudável.

1. O preservativo tem data de validade

Verdadeiro: Todos os preservativos, masculinos e femininos, têm uma data de validade, com um prazo limite de 5 anos.

2. Com a/o minha/meu parceira/o regular não necessito de utilizar preservativo

Falso: A/o sua/seu parceira/a poderá ter uma IST sem o saber e, consequentemente, você poderá correr o risco de a contrair.

3. A utilização do preservativo reduz a sensibilidade e o prazer

Falso: Algumas pessoas referem a redução da sensibilidade e prazer, mas outras não! Procure utilizar o preservativo como se este fizesse parte de um jogo erótico (e.g. ser a parceira/o a colocar o preservativo).

4. Não necessito de usar preservativo porque o/a meu/minha parceiro/a vem de uma boa família e não aparenta estar doente

Falso: Não é por olhar para uma pessoa que se consegue dizer se ela está infectada com alguma IST. O VIH e as outras IST’s surgem em qualquer pessoa (independentemente da sua educação religiosa, familiar, académica, idade, género, classe social, entre outros) caso não haja adaptação de comportamentos sexuais saudáveis, ou seja, atividades sexuais com o uso do preservativo.

5. Os preservativos rompem-se facilmente

Falso: Se usado de forma consistente, correta e adequada, menos de 2% dos preservativos rompem-se. Com o objetivo de diminuir a probabilidade do preservativo romper, deverá adotar um conjunto de procedimentos: (i) não deve utilizá-los se estiverem fora de prazo; (ii) não deve utilizar dois ou mais preservativos ao mesmo tempo, na medida em que corre o risco de romper devido à fricção; (iii) não deve utilizar lubrificantes à base de óleo conjuntamente com o preservativo masculino (deve utilizar lubrificantes à base de água); (iv) depois da ejaculação dever-se-á retirar imediatamente o pénis da vagina; (v) não guardar os preservativos junto de objetos cortantes ou em locais expostos ao calor; (vi) de igual forma, o sexo vigoroso, assim como o sexo prolongado (anal e vaginal) poderão fazer com que o preservativo se rompa, na medida em que a fricção leva à perda de lubrificação. Consequentemente, e nestes casos, deve-se utilizar um lubrificante à base de água conjuntamente com o preservativo.

6. O uso de preservativos ajuda a salvar vidas

Verdadeiro: Se usado de forma consistente, correta e adequada, os preservativos ajudam na prevenção de uma IST. Consequentemente, dever-se-á utilizar o preservativo na maior parte das atividades sexuais, como a relação vaginal, a relação oral e a relação anal.

7. A educação sexual e a informação sobre o preservativo, bem como o facilitar aos adolescentes o seu acesso, promove a promiscuidade

Falso: Estudos sobre comportamentos sexuais concluíram que a educação sexual promove o início da vida sexual em idades menos precoces e uma menor taxa de gravidez na adolescência.

8. O preservativo feminino é difícil de ser usado

Falso: Como a maior parte das novidades, o preservativo feminino requer alguma prática antes de se conseguir usá-lo com facilidade. Consequentemente, a mulher deverá treinar e tentar inseri-lo algumas vezes antes do encontro sexual. O preservativo feminino pode ser colocado 8 horas antes da relação sexual, logo, tem algum intervalo de tempo para praticar.

9. Os homens são os únicos responsáveis por evitar as IST’s e a gravidez não desejada

Falso: Apesar do preservativo masculino ser o método contracetivo mais reconhecido, o aparecimento do preservativo feminino veio permitir às mulheres a possibilidade de decidir e eleger entre um ou outro preservativo. Da mesma forma, permite a partilha da responsabilidade e do cuidar de si e do/a parceiro/a.

10. O preservativo feminino previne do HPV e do Herpes Vaginal

Verdadeiro: Como também protege a região dos lábios vaginais, o preservativo ajuda a prevenir a infeção pelo vírus HPV e herpes.

11. Posso utilizar qualquer preservativo

Falso: Os preservativos variam quanto ao seu tamanho e, por conseguinte, se este for muito grande, poderá correr o risco do mesmo ficar retido na vagina e do esperma sair do mesmo (e engravidar a parceira ou infectar a mesma, ou o parceiro, com uma IST). Por outro lado, se for pequeno demais, poderá causar dor e existe o risco do mesmo se romper. Consequentemente, experimente vários tamanhos até encontrar o preservativo que melhor se adapta a si.

12. Os preservativos são difíceis de serem usados

Falso: Com o objetivo de promover a sua saúde sexual, procure praticar a colocação do preservativo num objeto que tenha em casa (e.g. banana). Vai ver que o treino ajuda a diminuir os níveis de ansiedade, e os possíveis níveis de segurança face à sua colocação poderão promover a negociação na utilização do mesmo. Logo, não faça do preservativo um quebra-cabeças!

13. Os preservativos oferecem proteção efetiva contra as IST’s

Verdadeiro: De facto, se usado de forma correta, adequada e consistentemente, para além de prevenir uma gravidez indesejada, os preservativos previnem a troca de fluídos corporais, tal como o sémen, as secreções vaginais e/ou as secreções infecciosas, sendo estas as principais vias de transmissão.

14. A utilização do preservativo é sinónimo de que existe desconfiança e promiscuidade

Falso: Antes pelo contrário! Ao utilizar o preservativo está a respeitar-se e está a respeitar o/a seu/sua parceiro/a, demonstrando sentido de responsabilidade e de cuidado para com a prevenção de uma possível gravidez indesejada ou de uma IST.

15. Uma mulher/homem que pede ao/à parceiro/a para usar preservativo fá-lo porque não confia no/a parceiro/a

Falso: A negociação na utilização do preservativo é sinónimo de boa autoestima, segurança e de grande sentido de responsabilidade para com a sua saúde sexual e a saúde sexual do/a parceiro/a.

16. O preservativo pode causar alergia

Verdadeiro: De facto algumas pessoas apresentam uma reação alérgica ao látex. Nestes casos, procurem utilizar preservativos de poliuretano que se destinam às pessoas que são sensíveis ou alérgicas ao látex. Logo, não existe desculpa para não se proteger!

17. A minha parceira toma a pílula, logo não necessito de usar preservativo

Falso: A pílula e os outros métodos contracetivos (e.g. DIU; diafragma), tal como o nome indica, previnem contra uma gravidez indesejada, mas não protegem contra uma IST que você ou o seu parceiro possa ter sem que saiba que tem.

18. Os preservativos com sabor podem ser utilizados na relação pénis-vagina

Falso: O preservativo com sabor deve ser usado na relação oral. Na relação vaginal não deverá ser utilizado, na medida em que a maioria deles podem conter açúcar, o que poderá promover o aparecimento de infeções.

19. Ao colocar o preservativo poderá correr-se o risco de o rasgar

Verdadeiro: Quando a/o parceiro coloca o preservativo com a boca ou quando faz sexo oral ao seu parceiro usando um preservativo, por exemplo de sabor, deverá ter cuidado com os dentes, na medida em que estes poderão rasgar o preservativo. Da mesma forma, dever-se-á ter cuidado com as unhas quando o mesmo é colocado sobre o pénis.

20. O preservativo causa perda ou dificuldades de ereção

Falso: Se o preservativo contrair a base do pénis, poderá ajudar na obtenção de uma ereção mais rígida. De facto, a perda de ereção parece associar-se mais a outro tipo de problemas do que à utilização do preservativo.

Dra. Sofia Melo Refoios

 

 

Fontes:

Cates, W., & Stone, K. M. (1992). Family planning, sexually transmitted diseases and contraceptive choice: A literature update - Part I. Family Planning Perspectives, 24(2), 75-84.

Centers for Disease Control and Prevention. (2002). Sexually transmitted diseases treatment guidelines. Morbidity and Mortality Weekly Report; 51(RR-6), 1-78.

Hatcher, R.A., Rinehart, W., Blackburn, R., Geller, J.S., & Shelton, J.D. (1997). The essentials of contraceptive technology. Baltimore: Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, Population Information Program.

Holmes, K. K., Levine, R., & Weaver, M. (2004).Effectiveness of condoms in preventing sexually transmitted infections. Bulletin of the World Health Organization, 82(6), 454-464.

UNAIDS & WHO. The female condom: A guide for planning and programming. Retirado em 9 de Maio de 2012 de http://data.unaids.org/publications/IRC-pub01/jc301-femcondguide_en.pdf

UNFPA. Myths, misconceptions and fears: Adressing condom use barriers. Retirado em 9 Maio de 2012 de http://www.unfpa.org/upload/lib_pub_file/688_filename_myths_fears.pdf

Workowski, K. A., & Berman, S. M. (2006, August). Sexually Transmitted Diseases Treatment Guidelines: Morbidity and Mortality. Centers for Disease Control and Prevention - Weekly Report, 55(RR-11). Retirado em 11 dce Maio de 2012 de http://www.cdc.gov/std/treatment/2006/rr5511.pdf

Steiner, M. J., Cates, W., & Warner, L. (1999).  The real problem with male condoms is non-use.  Sexually Transmitted Diseases, 26(8), 459-62.

Stone, K. M., Timyan, J., & Thomas, E. L. (1999). Barrier Methods for the Prevention of Sexually Transmitted Diseases. In K. K. Holmes et al. (Eds.), Sexually Transmitted Diseases (3rd Edition), (pp. 1307-1321). New York: McGraw-Hill.

Vidal, V. (1998). A pequena história do preservativo. Porto: Campo das Letras.

Warner, L., Stone, K. M., Macaluso, M., Buehler, J. W., & Austin, H. D. (2006). Condom use and risk of gonorrhea and Chlamydia: A systematic review of design and measurement factors assessed in epidemiologic studies. Sexually Transmitted Diseases, 33(1), 36-51. Retirado em 8 Maio de 2012 de http://www.region8ipp.com/Docs/Articles/warner_condoms_methods_sti06.pdf

Weller, S. C., & Davis-Bety, K. (2007). Condom effectiveness in reducing heterosexual HIV transmission. Cochrane Collaboration: John Wiley & Sons. Retirado em 11 de Maio de 2012 de http://apps.who.int/rhl/reviews/CD003255.pdf

http://www.webmd.com/sexual-conditions/12-std-questions-and-answers

Para que o ser humano tenha a possibilidade de ser um membro ativo numa relação madura, necessita de ter a capacidade de cuidar de si e do outro e de promover a vivência de uma sexualidade salutar.