Siga-nos:

Verdades e mitos sobre o preservativo masculino e feminino – Parte 2

Verdades e mitos sobre o preservativo masculino e feminino – Parte 2

Quem diria que existissem tantos dados, verdades e mitos em torno do preservativo masculino e feminino? A juntar aos 20 factos apresentados na primeira parte desta série, estão mais 20: está pronta para testar o seu conhecimento nesta área?!

21. Uma pessoa que traz consigo um preservativo é sinónimo de uma pessoa fácil e que está sempre disposta a ter relações sexuais

Falso: Na maior parte das vezes as relações sexuais são espontâneas, ou seja, não são planeadas. Consequentemente, se a pessoa não tiver consigo um preservativo, a probabilidade de ter relações sexuais desprotegidas é significativa. Um homem ou uma mulher que tenha consigo um preservativo é sinónimo de alguém com sentido de responsabilidade e respeito pela sua vida e pela vida do outro.

22. O preservativo feminino pode ser usado adicionalmente com qualquer tipo de lubrificante

Verdadeiro: Ao contrário do preservativo masculino, que só pode ser utilizado com lubrificantes à base de água, o preservativo feminino poder ser usado com estes lubrificantes ou com lubrificantes à base de óleo.

23. O anel interno do preservativo feminino pode causar dor tanto à mulher como ao homem

Falso: Se colocado de forma correta, o anel interno do preservativo não deverá causar desconforto a nenhum dos membros do casal. Alguns casais reportam que este anel adiciona mais prazer sexual, tanto ao homem como à mulher.

24. Os preservativos são somente para os rapazes/homens

Falso: Existem, igualmente, os preservativos femininos que, apesar da pouca adesão, são distribuídos de forma gratuita em Portugal, nomeadamente nos centros de saúde (e.g. consultas de planeamento familiar).

25. O preservativo feminino não interfere com a espontaneidade sexual

Verdadeiro: Poderá não interferir porque pode ser colocado várias horas antes da relação sexual. Da mesma forma, e ao contrário do preservativo masculino, não necessita de ser removido imediatamente após a ejaculação e a sua utilização não depende da ereção do parceiro.

26. Só as prostitutas e os homossexuais devem utilizar preservativo

Falso: Todos os seres humanos sexualmente ativos estão frequentemente expostos a uma série de riscos. Todo e qualquer comportamento sexual de risco, ou seja, ter relações sexuais desprotegidas, poderá conduzir a uma gravidez indesejada e/ou à contração de uma IST, independentemente da orientação sexual, da profissão, idade, etnia, entre outros.

27. O preservativo feminino não causa alergias

Verdadeiro: Não é feito de látex, como o preservativo masculino, mas de material antialérgico, sendo uma boa opção para quem apresenta irritação/alergia aos comuns preservativos masculinos. De facto, não são conhecidos sérios efeitos secundários associados ao preservativo feminino.

28. Não posso contrair uma IST ao praticar sexo oral

Falso: As IST’s, como o VIH, são transmitidos durante um ato sexual sem proteção, ou seja, sem o uso do preservativo, incluindo a relação sexual oral, vaginal e anal.

29. Se o homem/mulher colocar o preservativo somente na altura em que o homem vai ejacular, está a praticar sexo seguro

Falso: O homem antes de ejacular emite uma secreção que contém espermatozoides que podem ser suficientes para engravidar a parceira. É por isso que o coito interrompido é dos métodos contracetivos menos eficazes. Por outro lado, tanto o homem como a mulher estão em risco de contrair uma IST desde o início da relação sexual, se não houver proteção. 

30. Usar preservativo é seguro e promove uma sexualidade saudável

Verdadeiro: O preservativo de látex masculino apresenta 98% de eficácia na prevenção do VIH e 97% na prevenção de uma gravidez indesejada, se a sua utilização for correta, adequada e consistente. A sua eficácia reduz bastante, em ambos os casos acima descritos, quando o preservativo não for colocado, nem usado, nem guardado, nem é retirado (da vagina, ânus ou boca) de forma correta. No que se refere ao preservativo feminino, este previne em 95% uma gravidez indesejada. Quanto à prevenção de IST’s a eficácia do preservativo feminino não foi investigada na mesma extensão que o preservativo masculino, porém, acredita-se que tenha uma taxa de sucesso similar à encontrada para a prevenção da gravidez.

31. Na 1ª relação sexual não se corre o risco de engravidar ou contrair uma IST

Falso: Independentemente de ser a 1ª relação sexual, a 10ª, a 33ª, etc., se não se proteger, e caso o/a parceiro/a tenha uma IST sem que tenha conhecimento disso, você corre o risco de contrair uma IST ou de engravidar.  

32. O uso do preservativo poderá causar sangramento

Falso: A utilização do preservativo não causa sangramento. Contudo, o sexo vigoroso ou a fricção do pénis numa vagina seca poderá ser doloroso para ambos, mulher e homem, podendo provocar hemorragias.

33. Os preservativos poderão colocar em causa a espontaneidade do sexo

Falso: O casal deverá combinar com antecedência a utilização do mesmo e, quando chegar o momento de o colocar, poderão fazê-lo como se tratasse de um jogo erótico (e.g. poderá ser a mulher a colocá-lo o que, na maior parte dos casos, excita o parceiro). De facto, o tempo que leva a colocar um preservativo comparado com a possibilidade do mesmo a/o poder proteger de uma IST ou de uma gravidez indesejada, faz com que a possível interferência com a espontaneidade da relação sexual seja colocada em segundo plano.

34. O preservativo feminino pode ser colocado antes da relação sexual

Verdadeiro: Pode ser inserido na vagina até 8 horas antes da relação sexual.

35. O prazer sexual poderá aumentar se usar um preservativo

Verdadeiro: O uso do preservativo faz com que o casal não esteja tão focado no receio de contrair uma IST ou de engravidar, conduzindo-o assim a uma maior probabilidade de centrar-se nas sensações, no outro e na relação sexual em si.

36. O preservativo causa secura vaginal

Falso: Os preservativos não são responsáveis pela secura vaginal. Se a mulher tiver dificuldades de lubrificação, um lubrificante à base de água, usado conjuntamente com o preservativo poderá ajudá-la. 

37. O preservativo masculino e o preservativo feminino podem ser usados em simultâneo

Falso: Não deverão ser utilizados em conjunto porque a fricção do material do preservativo feminino e do látex do preservativo masculino poderá conduzir ao insucesso da utilização do preservativo.

38. Os preservativos protegem a fertilidade

Verdadeiro: Ao proteger contra a transmissão de IST’s que causam a infertilidade, como a clamídia e a gonorreia.

39. A mulher tem um papel ativo na promoção da sua própria saúde

Verdadeiro: Se o homem recusar utilizar o preservativo, a mulher pode sempre usar o preservativo feminino, promovendo a sua saúde e a do/a parceiro/a.

40. O conforto no uso do preservativo promove uma sexualidade saudável

Verdadeiro: O conforto no uso do preservativo aumenta a probabilidade do indivíduo, homem ou mulher, ter consigo um ou dois preservativos, aumenta a capacidade de negociação na utilização do mesmo e poderá promover a confiança de que o encontro sexual será seguro e satisfatório.

 

Dra. Sofia Melo Refoios

Fontes:

Cates, W., & Stone, K. M. (1992). Family planning, sexually transmitted diseases and contraceptive choice: A literature update - Part I. Family Planning Perspectives, 24(2), 75-84.

Centers for Disease Control and Prevention. (2002). Sexually transmitted diseases treatment guidelines. Morbidity and Mortality Weekly Report; 51(RR-6), 1-78.

Hatcher, R.A., Rinehart, W., Blackburn, R., Geller, J.S., & Shelton, J.D. (1997). The essentials of contraceptive technology. Baltimore: Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, Population Information Program.

Holmes, K. K., Levine, R., & Weaver, M. (2004).Effectiveness of condoms in preventing sexually transmitted infections. Bulletin of the World Health Organization, 82(6), 454-464.

UNAIDS & WHO. The female condom: A guide for planning and programming. Retirado em 9 de Maio de 2012 de http://data.unaids.org/publications/IRC-pub01/jc301-femcondguide_en.pdf

UNFPA. Myths, misconceptions and fears: Adressing condom use barriers. Retirado em 9 Maio de 2012 de http://www.unfpa.org/upload/lib_pub_file/688_filename_myths_fears.pdf

Workowski, K. A., & Berman, S. M. (2006, August). Sexually Transmitted Diseases Treatment Guidelines: Morbidity and Mortality. Centers for Disease Control and Prevention - Weekly Report, 55(RR-11). Retirado em 11 de Maio de 2012 de http://www.cdc.gov/std/treatment/2006/rr5511.pdf

Steiner, M. J., Cates, W., & Warner, L. (1999).  The real problem with male condoms is non-use.  Sexually Transmitted Diseases,26(8), 459-62.

Stone, K. M., Timyan, J., & Thomas, E. L. (1999). Barrier Methods for the Prevention of Sexually Transmitted Diseases. In K. K. Holmes et al. (Eds.), Sexually Transmitted Diseases (3rd Edition), (pp. 1307-1321). New York: McGraw-Hill.

Vidal, V. (1998). A pequena história do preservativo. Porto: Campo das Letras.

Warner, L., Stone, K. M., Macaluso, M., Buehler, J. W., & Austin, H. D. (2006). Condom use and risk of gonorrhea and Chlamydia: A systematic review of design and measurement factors assessed in epidemiologic studies. Sexually Transmitted Diseases, 33(1), 36-51. Retirado em 8 Maio de 2012 de http://www.region8ipp.com/Docs/Articles/warner_condoms_methods_sti06.pdf

Weller, S. C., & Davis-Bety, K. (2007). Condom effectiveness in reducing heterosexual HIV transmission. Cochrane Collaboration: John Wiley & Sons. Retirado em 11 de Maio de 2012 de http://apps.who.int/rhl/reviews/CD003255.pdf

http://www.webmd.com/sexual-conditions/12-std-questions-and-answers

 

Quem diria que existissem tantos dados, verdades e mitos em torno do preservativo masculino e feminino?